Benchmarking

Em termos gerais, o benchmarking consiste na identificação das melhores práticas utilizadas nos diferentes processos de uma organização. No benchmarking, a avaliação e a comparação não representam um fim em si mesmo, mas metodologias que permitem apoiar o processo de melhoria, contribuindo para a aprendizagem. A construção deste website tem subjacente o objectivo de fornecer às escolas informação que as ajude nos processos de auto-avaliação e melhoria contínua, e não contribuir para indicar directamente formas de melhoria. Caberá a cada escola analisar os resultados aqui apresentados e utilizá-los da forma que entender como mais adequada aos seus processos internos de garantia e melhoria de qualidade


Os resultados a que cada escola poderá ter acesso dizem respeito ao seu desempenho num conjunto de indicadores que se distinguem em 4 áreas:


  • Indicadores de resultados;
  • Indicadores de recursos da escola;
  • Indicadores de contexto;
  • Indicadores de processo;

Os indicadores de resultados são produzidos para dois tipos de cursos: científico-humanísticos e profissionais. Optou-se por fazer uma análise separada dos resultados da escola correspondente a cada um destes cursos porque as características curriculares e o perfil dos alunos que frequentam um ou outro curso são distintos. O desempenho da escola nos indicadores dentro de cada uma destas 4 áreas (ver lista de indicadores) é traduzido em gráficos de benchmarking onde a escola poderá ver o percentil em que se encontra face a um determinado universo de escolas. Este universo poderá ser constituido por todas as escolas nacionais, escolas do mesmo tipo(públicas, privadas ou com contrato de associação), escolas situadas no mesmo concelho, ou ainda escolas que apresentam um contexto semelhante ou pior no que diz respeito ao índice de educação média onde se localizam (dados INE).


A título de exemplo vamos assumir que uma determinada escola pretende saber como se compara (para os seus alunos dos cursos científico-humanísticos) com outras escolas na média obtida no conjunto dos exames nacionais do Secundário e no conjunto das classificações finais de disciplina (CFD) (considerando apenas alunos internos). O resultado a que a escola terá acesso está ilustrado na figura seguinte:


Gráficos de Linhas

Exemplo gráfico linhas

Neste gráfico todas as escolas nacionais são usadas por ordem crescente da sua média ponderada nos exames nacionais do secundário (azul) e média ponderada da CFD no secundário (laranja). A linhas no gráfico representam a forma como estas médias se ordenam por ordem crescente. Esta escola apresenta uma média ponderada de 12.29 e situa-se no percentil 90.74% o que indica que 90.74% das escolas nacionais obtiveram uma média de classificações inferiores a 12.29 e 0.26% obtiveram classificações superiores (para a média ponderada CFD a análise é análoga). Estes gráficos são produzidos para todos os indicadores de desempenho da escola.


Gráficos Polares - Agregação

Exemplo gráfico polar

Este gráfico denomina-se gráfico polar e é produzido para mostrar simultaneamente os percentis de cada um dos exames que contribuem para o cálculo das médias no gráfico anterior. Para cada número no gráfico, a legenda mostra a que indicador se refere e o número de exames por disciplina efectuados na escola. Este tipo de gráficos tem a grande vantagem de proporcionar uma visão detalhada por disciplina. Assim nota-se, por exemplo, que a média de exame de História está perto do percentil 86% enquanto que a média das CFD da mesma disciplina encontra perto de 78%, marcando um grande desvio na disciplina e mostrando que comparativamente com o universo escolhido, estes alunos tiveram um desempenho superior nos exames e notas inferiores a nível interno.


Gráficos de Barras - Valores relativos e absolutos para evolução

Para além dos supra-mencionados, produzem-se também gráficos de evolução ao longo do tempo para cada indicador. Desta forma, é possível as escolas verificarem em que medida estão ou não a cumprir os seus objectivos de melhoria. As classificações de exames neste tipo de gráficos são um valor que representa uma média relativa (média da escola/média nacional). O objectivo desta 'normalização' pela média nacional prende-se com o facto de as classificações em cada ano estarem dependentes da dificuldade do exame e portanto uma classificação média inferior num determinado ano em relação ao ano seguinte não significa que a escola piorou o seu de desempenho de um ano para o outro. Os tipos de gráficos a produzir neste caso são apresentados em baixo.

Exemplo gráfico barras absoluto

Exemplo gráfico barras relativo

Pode notar-se que do ano 2008 para o ano 2009 a classificação média nos exames nacionais subiu de 12.00 para 12.29. No segundo gráfico nota-se que tendo em conta a comparação da escola com a média nacional, a escola teve uma prestação superior também (o que não está directamente relacionado com a descida das notas dos exames - exames mais fáceis podem levar ao aumento das notas mas ainda assim a prestação de uma escola não ser tão boa quando comparada com a média nacional). No segundo gráfico o valor de 1 é a média nacional e cada centésima acima ou abaixo de 1 significa um ponto percentual acima ou abaixo da média.


Mais uma vez, estes gráficos serão produzidos para todos os indicadores de desempenho, embora a normalização pela média nacional só se aplicará no caso de classificações em exames e CFD.